PROJETO GRÁFICO

 

 nquanto escrevo este abre, o Brasil chega à dura marca de 100 mil vítimas pela Covid-19. Há um pouco mais de cinco meses, demos o início da concepção desta edição, quase que ao mesmo tempo em que a maior pandemia de nossa geração iniciava sua mórbida investida no Brasil. Em meio a este cenário insólito, de dificuldades surgindo em progressão geométrica, a rotina dos fluxos de conceber, produzir e executar dos processos editoriais e criativos nunca esteve tão abalada e vulnerável às adversidades. O projeto gráfico do Anuário do Ceará 2020-2021, faz este registro, sugerindo otimismo e superação.

Em respeito ao vírus, à ciência e ao leitor, nosso livro se apresenta de máscara, adereço que mudou nossas paisagens e costumes. Vestimenta obrigatória hoje e, certamente, nos anos que virão. 

Quase monocromática, a capa ilustra a sociedade mobilizada, pronta para o desafio da retomada. A monocromia é quebrada sutilmente pelo colorido das máscaras das pessoas. Este multicolorido sugere a diversidade e a esperança da superação. Contemplar esta multidão mobilizada pode sugerir as vítimas que se foram, os profissionais que estão no front desta pandemia e/ou os cidadãos, que aguardam, com esperança, a oportunidade para o novo normal.

Tomando como gancho os 70 anos da Fiec, o projeto gráfico promove a mobilização social para a construção de grandes obras. Sob o firme traço do ilustrador Karlson Gracie, as páginas que abrem os capítulos trazem, tal qual o imaginário de “As viagens de Gulliver”, grupos de pessoas reconstruindo os principais ícones industriais do Ceará, que sugerem a capacidade humana e a retomada industrial do Estado. O uso da infografia, desenvolvida, com precisão, por Luciana Pimenta, facilita o acesso a determinadas informações mais complexas, inovando e enriquecendo ainda mais esta edição.

A indústria é também sugerida na laminação metalizada na capa, nos grids e formas hexagonais aplicadas ao conteúdo e no uso da tipografia Oskar Inline, do designer Paul van der Laan. 

A construção de um livro é um trabalho coletivo, a entrega desta obra não seria possível sem a competência e profissionalismo do designer Rafael Cavalcante, coordenador gráfico do projeto, também responsável pelos desenhos das páginas e otimização dos usos dos recursos do projeto gráfico, e da parceria sempre presente e providencial dos editores Jocélio Leal e Joelma Leal.

Saúde, responsabilidade e uma boa consulta.