Anuário Datafolha Top of Mind 2020

Anuário Datafolha Top of Mind 2020

Saúde – Laboratório de Análise Clínica

 

 

 

 

 

 

aboratório de Análise Clínica é uma novidade no segmento saúde na pesquisa Anuário Datafolha Top of Mind. Na estreia do segmento, o laboratório Emilio Ribas foi o mais lembrado pelos entrevistados na pesquisa, com 14,5%. Entre as pessoas da classe AB o índice sobe. Chega a 27,4%. 

Fundado em julho de 1979, o Emilio Ribas Medicina Diagnóstica possui 16 unidades de atendimento em Fortaleza e na Região Metropolitana. Recentemente, instalou uma nova unidade no Shopping Iguatemi. “Atribuímos o nosso bom resultado à excelência técnica, investimento em tecnologia de ponta e atendimento centrado no cliente. Valorizamos a comunicação e o diálogo de forma prática e rápida com o nosso público, com colaboradores e parceiros. Estamos presentes em jornais, televisões, rádios e revistas”, diz a diretora médica do Emilio Ribas, Rachel Petrola.

O laboratório Pasteur aparece em seguida, com 7,2% das indicações. É uma marca do Grupo Dasa, que declara ser a maior empresa de medicina diagnóstica do Brasil e da América Latina. Na sequência vem Clementino Fraga, com 6,9%, uma marca tradicional do setor em Fortaleza.

Pela ordem, aparecem Clínica SiM, com 2,5%, clínica com atuação no segmento popular, empatada com Unimed (2,5%). Depois, Hapvida (2,3%). Os dois últimos possuem redes próprias de laboratório e praticam a verticalização dos serviços. 

Mesmo não sendo um laboratório de análises clínicas, a Fundação Oswaldo Cruz, a Fiocruz, foi citada por 1,4% dos entrevistados. Deduz-se que, por mais que a instituição não preste serviço desta natureza, a marca esteve mais presente no dia a dia das pessoas por causa da pandemia da Covid-19, daí a possível explicação para o índice.

De acordo com a pesquisa, quatro em cada dez moradores de Fortaleza, o que representa 41,9% dos entrevistados, não souberam informar o nome de nenhum laboratório de análise clínica. O índice cresce ainda mais entre os mais jovens, com 54,5%, e entre os menos instruídos com 61,1%.