Mauc 60 anos

Capítulo Especial 2021-2022

O MUSEU DA UNIVERSIDADE

A museóloga Graciele Siqueira, graduada pela Escola de Museologia da Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro e mestra em Museologia e Patrimônio também pela Unirio, assumiu a direção do Mauc em 2018. Nas mãos, um equipamento histórico com o desafio de aliar arte, educação e formação de público. “Quando Martins Filho criou o museu, ele teve a preocupação de ter um guia — aquele funcionário que apresenta o equipamento, as disposições, promove o encontro do espaço com os visitantes ou grupos agendados. A formação de público é fundamental no museu universitário e nós realizamos quase 500 exposições em 60 anos de história. Não é um número apenas quantitativo, mas é um número qualitativo pela diversidade de ações, de experimentações, de ações executa das para acolher e receber os mais diversos públicos”, ressalta a diretora.

O Núcleo Educativo do Museu de Arte da UFC (NEMauc), responsável pelo planejamento, gestão e execução da Política Educativa e Cultural do Mauc por meio de programas e projetos que objetivam a participação e o exercício da cidadania por meio da arte e do patrimônio, foi implantado em 2019 por Graciele. No entanto, as primeiras atividades pedagógicas datam ainda no período denominado pré-criação do museu (1955-1961), na importante figura dos guias. Em 2009, Pedro Eymar sentenciou: “A ideia de um Museu, longe de um ‘culto à saudade’ (referência à matriz barroseana implantada no Museu Histórico Nacional, no Rio de Janeiro), ou de uma adesão ao movimento de criação de museus de arte moderna, liga-se diretamente ao núcleo da questão da identidade cultural podendo depreender-se do termo ‘sedimentação’ o caráter dinâmico e educativo contido em sua ideia”. A primeira profissional a atuar na função de guia foi Rita Araújo. Posteriormente, assumiu o cargo Henrique Barroso que, após concluir o Curso de Museus do Museu Histórico Nacional em
1966, retornou a Fortaleza e se tornou também o primeiro museólogo do Mauc, permanecendo no equipamento até 1991.

“Quando assumi o cargo de diretoria do Mauc, uma das funções que estavam agregadas à direção do museu era receber as escolas. Comecei a trabalhar com suporte, planejamento estratégico, planejamento institucional e a me perguntar: que instituição é essa? Quem somos nós depois de 57 anos no centro de atuação? Alinhando o Mauc à Política Nacional de Educação Museal, eu vi que era cada vez mais necessária a criação de um núcleo de educação para receber os públicos diversos que frequentam o Mauc: de bebês a idosos. Hoje, nós pensamos estratégias educativas, pedagógicas também para a recepção das escolas, para atividades de férias no museu. O Núcleo Educativo nasceu em 2019, mas ele sempre existiu de forma prática”, elucida Graciele.

Entre 2017 e 2019, o número de visitantes do Mauc triplicou. Iniciativas com o o Música no Mauc, voltadas a servidores e alunos; Férias no Mauc, para público geral; e o Corredor Cultural Benfica ofertaram programações que inseriram o museu universitário como opção variada, gratuita e acessível no circuito das artes em Fortaleza. Recentemente, o Mauc também foi incorporado à Secretaria de Cultura Artística da UFC e afinou o relacionamento com demais equipamentos culturais universitários.

A Secretaria de Cultura Artística da UFC foi criada em 2012. Desde sua fundação, apenas a Casa de José de Alencar e o Teatro Paschoal Carlos Magno (Tupa) estavam  inseridos na estrutura administrativa — o Mauc e a Casa Amarela Eusélio Oliveira (CAEO) não faziam parte dos equipamentos culturais vinculados ao órgão. “Havia uma certa vontade institucional, mas sem a necessária articulação para tal”, explica a produtora cultural e comunicadora Maria Pinheiro Pessoa, diretora da Secretaria. “Com a nova gestão, houve uma prioridade nesta questão e em dezembro de 2020 tivemos esta grande conquista que aproximou os equipamentos e a Secretaria. A vinculação torna possível uma maior integração das ações e uma atuação fortalecida das unidades junto à Administração Superior. Mesmo neste período pandêmico de grandes adversidades, a Secretaria tem dado apoio ao Mauc em seus projetos e ações, como por exemplo, o I Seminário Museus e Coleções da UFC – Reflexões Contemporâneas, realizado na Semana dos Museus, em que foi executada uma vasta programação, contribuindo para o conhecimento e reflexão sobre os acervos da UFC. Além do apoio também em questões administrativas que envolvem articulações e decisões sobre a estrutura do equipamento, de pessoal, material, acervo, entre outras”, enumera.

“O Mauc é um equipamento cultural de grande atuação no estado do Ceará há 60 anos, contribuindo significativamente para as artes plásticas, dando oportunidades para inúmeros artistas exporem suas artes, extrapolando os muros da universidade e contribuindo com o acesso à cultura e a circulação e valorização das obras e dos artistas que compõem seu acervo que contabiliza mais de sete mil obras sob sua guarda. Mais recentemente, o Museu também tem atuado intensamente com ações de educação museal com a criação do Núcleo Educativo do Mauc e assim cumprindo uma função primordial para a universidade, que é a produção e formação artística, principalmente
na área do Patrimônio Cultural. Para os próximos meses, teremos o retorno gradual das suas visitações e ações, obedecendo os protocolos sanitários e buscando realizar as exposições e projetos que o Museu promove com muito empenho, como por exemplo, o projeto Férias no Mauc que terá mais uma edição prevista para os meses de julho e agosto”, continua Maria. “O marco de completar 60 anos nos mostra que a melhor forma do Museu contribuir com a valorização das expressões artísticas do Estado, principalmente as que estão inseridas em seu acervo, é manter a resiliência e o esforço em promover ações continuadas e voltadas para toda a comunidade”, complementa a secretária de Cultura Artística.

Diretor da Casa de José de Alencar, Frederico Pontes destaca a relação entre as instituições geridas pela UFC. “O Mauc e a Casa de José de Alencar possuem uma aproximação natural por serem os principais equipamentos culturais da UFC, no que tange a salvaguarda de valiosos patrimônios artísticos e culturais. Nesse sentido, muitas atividades são planejadas de forma conjunta, como por exemplo: projetos de segurança e acessibilidade dos espaços de exposição. E além dessas afinidades, os dois equipamentos possuem uma relação muito próxima da sociedade, sendo espaços de formação educativa não formal para estudantes cearenses e sendo também espaços de grande visitação turística, sendo assim importantes equipamentos para o turismo cultural da cidade de Fortaleza.”

“O Mauc surge num período de efervescência cultural no Ceará, a implantação da primeira Universidade e a atuação de uma nova geração de artistas plásticos. O Museu de Arte da UFC terá papel fundamental para a promoção, divulgação e valorização das artes plásticas cearenses, abrindo espaços para novos artistas e novas linguagens, sendo também um espaço formador de coleções que representam a cultura nordestina, hoje expostas na Sala de Cultura Popular. Através da promoção de exposições dos principais artistas plásticos cearenses, o museu deu visibilidade e reconhecimento para artistas que posteriormente seriam consagrados pela crítica nacional e internacional. Assim o Mauc foi se consolidando como o principal museu de artes plásticas do Ceará”, finaliza Frederico.