Fortaleza

Ex-prefeitos de Fortaleza

BRASIL IMPÉRIO

1822-1823 – Joaquim Lopes de Abreu
1823 – Joaquim José Barbosa
1823 – Francisco Félix Bezerra de Albuquerque
1823 – João da Rocha Moreira
1824 – Manuel José Martins Ribeiro Júnior
1824-1826 – Joaquim Antunes de Oliveira
1826-1827 – João Facundo de Castro Menezes
1827 – Joaquim Lopes Abreu
1827-1828 – Jacinto Fernandes de Araújo
1828 – Joaquim Vieira da Silva e Souza
1828 – Luiz Mariano Gomes da Silva
1828-1829 – Francisco José Pacheco de Medeiros
1829-1831 – Joaquim Lopes Abreu
1831 – José Joaquim da Silva Braga
1831-1832 – Joaquim Mendes da Cruz Guimarães
1832-1833 – José Joaquim da Silva Braga
1833-1836 – José Ferreira Lima Sucupira
1836-1841 – Joaquim da Fonseca Soares e Silva
1841-1843 – José Lourenço de Castro e Silva
1843-1849 – Antônio Rodrigues Ferreira Macedo
1849-1850 – Manuel Teófi lo Gaspar de Oliveira
1850-1859 – Antônio Rodrigues Ferreira Macedo
1859-1861 – Manuel Caetano de Gouveia
1861-1865 – Manuel Soares da Silva Bezerra
1865-1869 – Antônio Teodorico da Costa
1869 – Joaquim da Cunha Freire
1869-1873 – Antônio Gonçalves da Justa
1873-1877 – Francisco Coelho da Fonseca
1877-1881 – Joaquim da Cunha Freire
1881-1884 – Antônio Pereira de Brito Paiva
1884-1886 – João Crisóstomo da Silva Jataí
1886-1887 – Telésforo Caetano de Abreu
1887-1890 – Manoel Teófi lo Gaspar de Oliveira

BRASIL REPÚBLICA

1890 – José Freire Bezerril Fontenelle
1890-1891 – Manuel Nogueira Borges
1891-1892 – Joaquim de Oliveira Catunda
1892-1912 – Guilherme César da Rocha
1912 – João Marinho de Albuquerque Andrade
1912-1914 – Ildefonso Albano
1914-1918 – Casimiro Ribeiro Brasil Montenegro
1918-1920 – Rubens Monte
1920-1921 – Godofredo Maciel
1921-1923 – Ildefonso Albano
1923-1924 – Adolfo Gonçalves da Siqueira
1924-1928 – Godofredo Maciel
1928-1930 – Álvaro Weyne
1930-1931 – César Cals de Oliveira
1931 – Antônio Urbano de Almeida
1931-1933 – Tibúrcio Cavalcante
1933-1934 – Raimundo Girão
1934-1935 – Plínio Pompeu de Sabóia Magalhães
1935 – Gentil Barreira

1935-1936 – Álvaro Weyne

Álvaro Nunes Weyne nasceu em 11 de novembro de 1881. É conhecido como o “prefeito das flores”, em virtude da promoção da arborização urbana. Além de embelezar as ruas da Cidade, foi presidente do Rotary Club de Fortaleza, dirigiu a Santa Casa da Misericórdia e foi secretário do Estado dos Negócios da Fazenda. Foi o responsável pela aquisição da Casa de José de Alencar e sua disponibilização para o Instituto do Ceará (Histórico, Geográfico e Antropológico).

1936-1945 – Raimundo de Alencar Araripe

1945 – Plácido Aderaldo Castelo

1945-1946 – Vicente Linhares

1946 – Oscar Barbosa

1946 – Romeu Coelho Martins

1946-1947 – Clóvis Matos

1947-1948 – José Leite Maranhão

1948-1951 – Acrísio Moreira da Rocha

1951-1955 – Paulo Cabral de Araújo

Nasceu em Guaiúba, bacharel em Direito, radialista, diretor do grupo de comunicação Diários Associados do Brasil. Aos 28 anos, sem vivência partidária e sem apoio, venceu as eleições para prefeito. Foi também deputado estadual e secretário-geral do Ministério da Justiça durante o governo Ernesto Geisel.

1955-1959 – Acrísio Moreira da Rocha

1959-1963 – Manuel Cordeiro Neto

1963-1967 – Murilo Borges Moreira

1967-1971 – José Walter Cavalcante

Ocupou o cargo de diretor da Estrada de Ferro Fortaleza-Baturité. Era engenheiro de profissão, mas sua gestão à frente da Prefeitura teve como marca a falta de preservação da memória da Cidade com a destruição da Coluna da Hora e do Abrigo Central, dois equipamentos arquitetônicos históricos de Fortaleza, localizados na Praça do Ferreira. Elaborou, no final da gestão, o Plano de Desenvolvimento Integrado da Região Metropolitana de Fortaleza (Plandirf).

1971-1975 – Vicente Cavalcante Fialho

Engenheiro civil formado pela Universidade Federal do Ceará (UFC) e especialista em transportes pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ) em 1966. Quando foi prefeito, priorizou a infraestrutura como avenidas Aguanambi e um trecho da avenida Leste-Oeste.

1975-1978 – Evandro Ayres de Moura

Criou o Balcão de Projetos, destinado a criar planos urbanos que captassem fundos do Governo Federal. Apoiou-se administrativamente na junção do já existente Plano de Desenvolvimento Integrado da Região Metropolitana de Fortaleza (Plandirf) aos recentes Plano de Desenvolvimento Integrado de Fortaleza (Pladif) e Plano de Ação Municipal (PAM).

1978-1979 – Luiz Gonzaga Nogueira Marques

Deputado, professor, engenheiro e empresário.
Foi secretário de obras no governo Gonzaga Mota (1979-1986) e prefeito indireto de Fortaleza (1978-1979).
Membro da Comissão de Organização Eleitoral, Partidária e Garantia das Instituições e da Subcomissão do Sistema Eleitoral e Partidos Políticos. É o atual provedor da Santa Casa da Misericórdia de Fortaleza.

1979-1982 – Lúcio Gonçalo de Alcântara

Assumiu a Secretaria para Assuntos Municipais em 1978 e, aos 36 anos, foi prefeito de Fortaleza (1979-1982). Seu mandato foi marcado pela defesa do meio ambiente, criando o Parque Adahil Barreto, desenvolvendo a urbanização do Lagamar e garantindo proteção às lagoas urbanas de Fortaleza, como a do Opaia e da Parangaba. Foi vice-governador do Ceará de 1991 a 1994. Em 1995, elegeu-se senador. Foi governador do Estado de 2003 a 2006.

1982-1983 – José Aragão

1983-1985 – César Cals de Oliveira Neto

Anunciou a “humanização” do Centro da Cidade para revitalizar as atividades de lazer, cultura, educação e saúde. Nesse período, havia intensa imigração de cearenses do Interior do Estado chegando à Capital em busca de alimento e emprego. Defendeu autonomia para bairros periféricos e descentralização dos serviços da Prefeitura.

1985-1986 – José Maria de Barros Pinho

1986-1988 – Maria Luiza Fontenele

Eleita em 15 de novembro de 1985, sua vitória representou a maior surpresa eleitoral da história política da Cidade. Maria Luiza derrotou os franco favoritos Lúcio Alcântara e Paes de Andrade. A gestão da prefeita foi marcada por greves, paralisações de serviços públicos essenciais e manifestações de desagravo à sua administração. Atribuídos a um boicote federal e estadual no repasse de verbas ao erário municipal, os salários dos servidores sofreram atrasos e a imagem da prefeita ficou associada à incapacidade gerencial.

1989-1990 – Ciro Ferreira Gomes

Advogado formado pela Universidade Federal do Ceará (UFC), Ciro Gomes foi prefeito de Fortaleza por dois anos, até sair para assumir o Governo do Estado do Ceará. Quando foi prefeito, anunciou a Operação Fortaleza Limpa, que prometia tapar todos os buracos em 90 dias. Criou a Comissão de Modernização Administrativa a fim de criar regulamentações, rotinas, estatutos, análise de distribuição de trabalhos. Seu mandato é marcado também pela extinção e fusão de vários órgãos e secretarias.

1990-1992 – Juraci Magalhães

1993-1996 – Antônio Cambraia

Desconhecido da população de Fortaleza até as eleições de 1992, foi eleito ainda no primeiro turno com o apoio de seu padrinho político, Juraci Magalhães, de quem foi secretário de Finanças. Assim como o seu antecessor, manteve a administração voltada para a realização de obras de infraestrutura, como a restauração do Paço Municipal, as obras de calçamento e conservação da via pública e a ampliação do sistema de esgotos. Ao longo de sua gestão, manteve seu índice de aprovação em torno de 80%.

1997-2000 – Juraci Magalhães

2001-2004 – Juraci Magalhães

Nascido no município de Senador Pompeu, em 12 de fevereiro de 1931, o médico dermatologista esteve à frente da Prefeitura de Fortaleza de 1990 a 1992, e depois de 1997 a 2004. Foi responsável por grandes intervenções urbanas e obras de impacto, como o novo Instituto Dr. José Frota (IJF). Praças, avenidas, viadutos e terminais de integração de ônibus foram algumas das muitas realizações da gestão de Juraci Magalhães.

2005-2008 – Luizianne Lins

2009-2012 – Luizianne Lins

Graduada em Jornalismo e filiada ao Partido dos Trabalhadores (PT) desde 1989, foi eleita vereadora duas vezes, em 1996 e em 2000, e deputada estadual, em 2002. Em seu mandato como prefeita, ampliou e qualificou itens de prestação de serviço à população, com o início das obras do Hospital da Mulher, a reativação de creches e a construção de moradias populares.

De 2013-2020 – Roberto Cláudio