Especial - O POVO 90 anos

Especial

Anuário do Ceará – O Retrato mais Tradicional e Atual do Ceará

O ANUÁRIO DO CEARÁ 2018-2019 É A DÉCIMA QUINTA EDIÇÃO DESDE O REPOSICIONAMENTO DA PUBLICAÇÃO, OUTRORA EM FORMATO DE RETROSPECTIVA
Crédito: Carlus Campos

Mais do que reunir informações sobre o Estado, o Anuário do Ceará é uma espécie de mapa que oferece informação para entender o Estado que se é e se projetar o que ele pretende ser. Em uma publicação robusta que atravessou mais de um século e meio, o Ceará é apresentado em informações econômicas, políticas, sociais, geográficas e culturais.

Em 2018, o Anuário do Ceará completa 15 edições sob os cuidados do O POVO. O Grupo foi responsável pela reformulação editorial da publicação cuja origem remonta a um Ceará ainda provinciano. Criado com o nome de Almanak Administrativo, Mercantil e Industrial da Província do Ceará, a publicação foi pensada para servir como um guia de consulta do Estado. A primeira edição é de 1872. O Anuário do Ceará é, portanto, a mais antiga publicação do Estado em circulação. Apenas O POVO, com 90 anos de história, fica atrás da marca.

Ainda sob o comando do seu fundador, o comendador Joaquim Mendes da Cruz Guimarães, as primeiras edições eram recheadas pelos nomes e cargos de todos os funcionários públicos do Estado, mas também tinha espaço para páginas literárias. Foi assim até o fim da sua segunda fase, que tinha à frente João Câmara, cuja família ficou responsável pela publicação na passagem do século XIX ao XX.

No fim de 1920, já sob a orientação do editor Silveira Marinho, o livro passa a servir como um banco de dados estatístico do Estado, reunindo números e indicadores estaduais e dos principais municípios cearenses. Nas décadas seguintes, a publicação passa a ser comandada pelos intelectuais Raimundo Girão e Antônio Martins Filho, que fundou a Universidade Federal do Ceará (UFC). Na década de 1960, os jornalistas Lustosa da Costa e Dorian Sampaio assumem a edição do Anuário, que fi cou sob a responsabilidade do último até ser associada ao O POVO.

Foi em 2002 que a publicação deu início a sua fase moderna, após radical reformulação editorial e gráfi ca proposta pelo editor-geral à época, o jornalista Fábio Campos, que comandou a edição do Anuário do Ceará por 15 anos. Na estreia da nova fase, o Anuário foi publicado em formato de revista.

Ao voltar ao formato livro em 2004, a publicação ganhou mais verticalidade. Passou a ser o guia mais completo sobre informações políticas, econômicas e sociais do Ceará, com compilação e leitura de dados estatísticos e a publicação de pesquisas exclusivas. O capítulo sobre os municípios se tornou a principal fonte de consulta impressa sobre cada um dos municípios cearenses. Também aprofundou o raio x dos três poderes no Ceará, combinando serviço e transparência.

Parte da equipe do Anuário do Ceará 2018-2019

 

Todos os anos o Anuário atualiza os dados dos municípios no Guia das Cidades, com a compilação única de informações sobre a história, geografia, infraestrutura, demografia e economia de todas as cidades do Estado. Na área econômica, dentre outros, números relacionados ao PIB e a balança comercial. A arrecadação e os indicadores da administração pública também ganharam destaque com a publicação, assim como a infraestrutura e o ensino superior do Estado.

Na área política, além de apresentar o perfil dos gestores do Executivo estadual e municipal, também traz um panorama do Legislativo cearense. Pesquisa anual mostra o ranking dos parlamentares mais influentes entre deputados estaduais, federais e senadores, a partir da avaliação dos próprios legisladores.

Outra inovação do livro para o mercado foi a pesquisa Anuário Datafolha Top of Mind, que mede as marcas mais lembradas pelos consumidores cearenses em 33 segmentos. A pesquisa, consolidada desde 2003, é um importante balizador do recall das marcas no Estado. A referida pesquisa ganhou vida própria e será lançada em produto exclusivo.

Ao longo de 15 edições da fase reformulada do Anuário do Ceará, a publicação se mostrou não só viva, mas fundamental para o mercado, a política e as instituições cearenses. Ao se aliar com a marca O POVO, as duas publicações mais tradicionais do Ceará se valorizaram pela capacidade de atravessar o tempo sem se conformar com o passado.

No discurso de lançamento da nova fase do Anuário, em 2002, o então presidente do Grupo de Comunicação O POVO, Demócrito Dummar, definiu a publicação como um empreendimento editorial que “nos aproxima do compromisso com a cearensidade”.

Em 2017, o Anuário ganhou versão web que vai além do conteúdo impresso. Utiliza recursos de Big Data para fazer a análise e curadoria de dados. Nesta edição, o jornalista Jocélio Leal assume como editor-geral da publicação, tendo como editora-executiva a jornalista Joelma Leal. Segundo ele, a equipe se reúne a cada edição para aprimorar forma e conteúdo. “O Anuário tem o desafio de não se repetir.”