Especial - O POVO 90 anos

Especial O POVO 90 anos

Especial

A Força da Reinvenção

AOS 90 ANOS, O POVO INOVOU COM NOVO PROJETO GRÁFICO-EDITORIAL QUE APOSTOU EM CONTEÚDOS MAIS PROFUNDOS NO IMPRESSO E AMPLIOU A COBERTURA FACTUAL NA WEB.
Crédito: Carlus Campos

Um jornal se alimenta de notícias, múltiplas visões de mundo, análises e, também, de inovações. Afeito às mudanças, O POVO nunca foi um jornal acostumado com o que se produz a seu tempo. Ele sempre quis mais. A atualização de procedimentos e conteúdos fica evidente quando se investigam as mudanças empreendidas pela equipe do jornal ao longo das nove décadas de circulação do periódico. Na fase mais moderna, contando a partir de 1997, foram oito reformas gráficas aplicadas no impresso, algumas delas incluindo redesenho editorial.

A mais recente ocorreu em janeiro de 2018, dentro das comemorações dos 90 anos. Ela se consolidou como uma reforma gráfi co-editorial, provocando transformações não apenas na forma como o conteúdo é apresentado aos leitores, mas também no modo como se pratica o jornalismo na empresa. Um dos objetivos centrais da mudança foi garantir a boa experiência de leitura, ao modifi car o formato e reforçar compromissos com conceitos jornalísticos, sobretudo ao tempo em que as notícias falsas se tornaram pauta mundial.

A NOVA REFORMA DO
JORNAL ADOTOU O
FORMATO BERLINER AOS
DOMINGOS, A EXEMPLO 
DE VÁRIOS JORNAIS DE
PRESTÍGIO DA EUROPA, 
COMO LE MONDE (FRANÇA)
E EL PAÍS (ESPANHA)

“É desafiador o momento atual que vivemos na indústria da comunicação. Tudo parece estar em uma constante transformação. As pessoas continuam consumindo informação, mas questionamos de que maneira, por qual plataforma, com qual nível de exigência, quem são as referências”, contextualiza a diretora-executiva da Redação, Ana Naddaf. Segundo ela, era preciso reforçar o que O POVO carrega como marca desde a sua fundação.

Portanto, o redesenho, ainda que privilegiasse também a estética, entendendo o gráfico como parte do processo, era preciso lançar olhar principalmente para o conteúdo. Isto passa pela reestruturação da equipe de jornalistas, a logística da produção de notícias e, finalmente, o produto final oferecido aos leitores. “Um produto vitalizado editorialmente, influente e sintonizado com os desejos de quem nos lê, nos acessa, nos ouve, enfim, consome notícia”, resume a jornalista.

NOVO PROJETO
No dia 18 de janeiro de 2018, O POVO estreou o novo projeto gráfico-editorial que marcou a efeméride das nove décadas de mercado

A transformação do jornal tomou como base cinco pilares que orientam toda a produção jornalística do Grupo: o furo, a análise, a síntese, o conhecimento e o prazer. Esse pentágono foi o balizador das mudanças empreendidas na Redação no último ano e também na forma como o conteúdo chega aos leitores.

Como resultado de um ano de intensa discussão, O POVO aplicou o projeto. Como parte do diferencial, passou a privilegiar espaço para grandes reportagens e alguns assuntos-chave foram verticalizados, como segurança, saúde, educação, mobilidade urbana, infraestrutura, negócios, política estadual e municipal. O Núcleo de Reportagens Especiais passou a se chamar Núcleo de Investigação e foi ampliado. Passou a contar com cinco repórteres.

Sob a coordenação da jornalista Fátima Sudário, o grupo é responsável por trazer repercussões de notícias factuais, desdobramentos de apurações já realizadas pelo O POVO e trabalhar conteúdos exclusivos.

Ainda no novo projeto, a área de cultura e entretenimento passou por reformulações estratégicas. O Vida & Arte se transformou em uma grande plataforma cultural que expande sua cobertura e trafega por linguagens que vão para além do impresso. Hoje, a marca se consolida em outros suportes e linguagens, como aplicativo de celular, programa de rádio, eventos culturais e intensa participação no online.

O VIDA & ARTE
DEIXOU DE SER
APENAS A MARCA
DO SEGUNDO
CADERNO PARA
SE TORNAR UMA
PLATAFORMA
CULTURAL TAMBÉM
NA WEB E NO RÁDIO

Entre as inovações mais ousadas da última reforma gráfico-editorial do O POVO está a mudança do formato do caderno dominical. Após quase três anos em circulação, o DOM surge repaginado sob o formato berliner (27cm X 41cm), com o objetivo de aprimorar a experiência de leitura dos consumidores. Equilibrando o status do standard e a praticidade do tabloide, o formato é comum na Europa, em publicações como Le Monde (França), La Repubblica (Itália), Expresso (Portugal) e El País (Espanha). O berliner tem a mesma base de um tabloide, mas com cerca de 10 cm a mais de altura, o que exprime o charme e demonstra a versatilidade do material.

Alinhado às mais recentes discussões sobre as notícias falsas (fake news), o jornal é o único veículo de comunicação do Norte e Nordeste a participar do Projeto Credibilidade, do Instituto para o Desenvolvimento do Jornalismo (Projor). Trata-se de um consórcio de mídia que promove o jornalismo confiável e de qualidade. É inspirado no The Trust Project, com jornais do mundo inteiro e o Google Lab.

Ademais, como forma de confirmar o compromisso com os leitores, mantém canais ativos de contato com a audiência como o Conselho de Leitores. Ao lado da Folha de S.Paulo, são os dois jornais brasileiros que mantêm a função de ombudsman. No O POVO, responsável por estabelecer comunicação direta com a audiência não só do jornal, mas de outras plataformas do Grupo.

Para Ana Naddaf, estes são sinais de que a responsabilidade do O POVO com o leitor permanece. “Estamos reforçando um compromisso com o nosso público. O de continuar produzindo um conteúdo jornalístico relevante e renomado, com um design atraente e ousado. Isso permeia todos os suportes.”